Avançar para o conteúdo principal

Uma grande mudança

Filipe é uma criança de 6 anos como qualquer outra. Vive em Lisboa num apartamento com os seus pais e o chiquinho, o gato preto. Gosta de jogar computador, passear com os seus pais e ir ao parque. Ama comer gomas e a sua comida preferida é a pizza de queijo. E, tal como a grande maioria das crianças, detesta ir à escola. 

– Bom dia mãe! Bom dia pai! 

– Bom dia filhote! – A mãe deu-lhe um beijo na testa e continuou a preparar o pequeno almoço. 

Beatriz é enfermeira, mãe, esposa, mulher, voluntária numa associação de apoio às vítimas de violência doméstica, ativista dos direitos da mulher e apaixonada por culinária. 

Aos olhos de Filipe, era a Mulher Maravilha. Poderosa, determinada, inteligente e protetora. Para ele, era a mulher da sua vida. 

– Olá Filipe, dormiste bem? – o pai passou a mão pelo seu cabelo deixando-o meio despenteado. 

– Sim pai, dormi muito bem. 

Raúl é engenheiro informático, pai, marido e adora bricolage. É especialista em inventar estórias de embalar e o que mais gosta de fazer nos tempos livres é provar os deliciosos pratos que a sua esposa confecciona. O seu prato favorito é arroz de pato à Beatriz e o que mais ama, acima de tudo, é brincar com o seu filho. 

Para Filipe, o pai é o Super Homem e tinha a certeza que nada nem ninguém conseguiria fazer-lhe mal pois o pai iria sempre protegê-lo. 

– Vá lá filhote, come os cereais depressa que estamos a ficar atrasados. Tenho de chegar cedo ao hospital. Eu e o pai vamos só comer uma coisa rápida para irmos embora. 

– Está bem mãe. 

Filipe comeu os cereais rápidos e subiu as escadas a correr para lavar os dentes. 

– Vamos Filipe! Eu e o pai já estamos despachados! – a mãe falava apressadamente com a pressa a tomar o controlo. 

Foi a correr ao quarto que ficava perto da casa de banho, pegou na mochila e desceu as escadas quase a voar. 

Saíram de casa, o pai trancou a porta de casa e entraram no pequeno carro de 4 portas azul que ele adorava e foram embora. 

A distância até à escola era muito curta pelo que chegaram rapidamente. A mãe saiu do carro já que o pai é que vinha a conduzir e ajudou-o a sair. 

– Tem um bom dia de aulas filhote! – o pai sorria mostrando um perfeito sorriso branco que Filipe adorava ver. 

– Porta-te bem! O pai logo vem-te buscar está bem? A mãe deu-lhe um rápido beijo entrando novamente no veículo 

– Não te preocupes mãe. Até logo amo-vos muito. 

– Nós também filhote-disseram os pais em uníssono. 

Filipe entrou na escola excitado por ser sexta-feira e por poder passar os próximos 2 dias a brincar com os pais. A mãe tinha folga no fim de semana e dissera-lhe que iam passear à praia. Estava tão contente que o dia parecia não acabar. 

As aulas foram o normal, teve uma ficha de língua portuguesa que lhe deu algum trabalho mas a professora ajudou-o a compreender e a ler algumas palavras difíceis. Fez duas fichas de matemática e esteve a falar da mãe natureza a estudo do meio. Para ele, matemática era a sua disciplina preferida. Adorava contas e era sempre o primeiro a acabar e um dos poucos a ter sempre tudo certo. 

Quando acabou a última aula, Filipe correu para o portão da escola e entrou para o carro dando um enorme abraço ao pai que já o esperava. 

– Como correram as aulas? 

– Correram bem! Pensava que nunca mais acabavam. Queria ir para casa brincar contigo! A professora não mandou trabalhos, por isso, amanhã podemos ir cedo à praia com a mãe. 

– Sim filho. Vamos à praia de manhã mas não podemos ir cedo. A mãe precisa de descansar. Mas podes ficar tranquilo que vamos na mesma à praia, está bem? 

– Sim pai! - Filipe sorria de pura felicidade. Ele adorava passear com os pais. Mas o que o deixava ainda mais feliz era não ter trabalhos de casa para lhe ocupar o dia. 

Assim que chegaram a casa, foi logo a correr para o quarto buscar os power rangers para brincar com o pai. 

– Anda pai, vamos brincar! – o pai estava a olhar para a televisão com um ar assustado e tenso. 

– Vou já filho… – ele falava sem tirar os olhos da televisão. 

– Que estás a ver? – Filipe não percebia o que diziam. Para ele as notícias eram chatas. 

– Estou a ver uma notícia de um vírus que apareceu na China. Chamam-lhe Covid-19 e parece estar a deixar as pessoas muito doentes. Os idosos estão todos a falecer. É assustador. Só espero que não chegue ao nosso país. 

– Não te preocupes pai! A China é muito longe

– Tens razão filhote, chega de notícias tristes – o pai desligou o aparelho e sentou-se no chão ao lado a brincar. 

Sem dar por isso, já era noite e o pai teve de deixar a brincadeira para ir fazer o jantar. Tinham estado a brincar às lutas. O pai era o Power Ranger verde e ele o vermelho. Tinham morto o mau muitas vezes mas ele voltava sempre. 

– A mãe vem jantar? – Inquiriu a criança. 

– Sim, vem. Vou fazer pizza que te parece?

– Boa! – Filipe deu pulos de alegria. Era o seu prato favorito e os pais não o deixavam comer muitas vezes. Diziam que não era saudável e que lhe fazia mal à barriga. Para ele aquilo era uma parvoíce. Como é que uma coisa tão boa podia fazer mal? 

Foi para o lado do pai ajudar com o jantar. 

Assim que terminaram de preparar a refeição e a meteram no forno, ouviram a porta fechar. A mãe tinha chegado. 

– Olá! Está cá alguém? Será que o meu filho ficou na escola? Não me veio buscar à porta hoje. 

– Mãe! Estou aqui! Estava a ajudar o pai com o jantar. Vamos papar pizza mãe! – saltou para os braços da mãe que o pegou ao colo 

– Estás a ficar pesado! – a mãe deu-lhe um beijo e tirou o casaco. 

Nisto, o pai chegou e deu um beijo à sua esposa. 

– Como correu o teu dia querida? - quis ele saber

– Correu bem mas foi cansativo. Parece que foi detectado um vírus estranho na China e os meus colegas temem que venha para cá. Portugal não está preparado para uma coisa destas. Aliás, os hospitais não estão preparados para enfrentar algo assim. 

Filipe tranquilizou a mãe:

– Não te preocupes mãe. A China fica muito longe. 

– Tens razão, meu querido. Obrigada. 

A mãe deu um beijo na face dele e foi tomar banho. 

Finalmente era Sábado. Era dia de passeio. Filipe foi o primeiro a acordar. Saiu disparado da cama e foi ao quarto dos pais. 

– Bom dia mãe! Bom dia pai! Está na hora de acordar! Vamos passear hoje! Podemos comer gelado? 

Ainda meio a dormir, o pai respondeu entre bocejos:

– Claro que podemos filho. Vens ajudar o pai a fazer o pequeno almoço? Vamos deixar a mãe descansar mais um bocadinho. Quando tivermos tudo pronto vimos acordá-la. Pode ser? 

– Pode ser pai. Filipe não estava lá muito convencido. Queria ir para a praia, passear com os pais e comer gelados e só queria ir embora. 

Filipe estava a ajudar o pai quando a mãe apareceu vestida cheia de pressa. 

– Raúl, Filipe, vão ter de ir à praia sem mim. Tenho de ir para o hospital. 

– Não vás mamã! – Filipe agarrava-se com as lágrimas nos olhos. 

Ao ver o estado do filho, a mãe pôs-se de joelhos, deu-lhe um abraço apertado e disse:

– A mãe promete ser rápida e vai ter com vocês à praia pode ser? 

– Prometes mãe? 

– Prometo filho. Olha, importas-te de ir à cozinha buscar uma maçã para mim por favor? 

– Claro que vou! 

Quando chegou à porta da cozinha ouviu a mãe dizer ao pai:

– Parece que o Covid já chegou a Portugal. Deixa-me roupa e desinfectante à porta por favor. Não quero que vocês apanhem esta coisa. 

– Não te preocupes querida. Tem cuidado por favor. - Disse o pai enquanto dava um beijo na face dela. 

– Não te preocupes. Vai passear com ele. A ver se ele se distrai e não percebe nada. 

Filipe apareceu e entregou a maçã à mãe. Deu um beijo à mãe e ficou a vê-la desaparecer pela estrada no seu carro. 

– Bom, vamos comer para irmos à praia? – Raúl tentava parecer animado. 

– Não quero ir sem a mãe. 

– Ó filho. Não fiques triste. A mãe não te prometeu que ia lá ter? 

– Sim mas… 

– Ela já te quebrou alguma promessa? 

– Não. 

– Então pronto. Vamos embora? 

De facto, sempre que a mãe prometia trazer um brinquedo ela trazia. Sempre que prometia fazer pizza ela cumpria. 

– Sim papá, vamos! - Ficara novamente animado. 

Arrumaram a cozinha e foram para a praia. 

O dia passou rápido. Estiveram a fazer castelos na areia e comeram 3 gelados! Estavam a acabar de fazer uma tartaruga quando a mãe apareceu a sorrir de felicidade. 

– Mamã! Vieste! - Filipe correu para os braços da sua mãe que o elevou no ar

– Claro que vim! Eu prometi que vinha, não prometi? 

– Sim! 

Beatriz ajudou-os a terminar a construção e juntos, decidiram ir comer fora

– Podemos comer pizza? 

– Podemos. – disse a mãe 

– Tu e a pizza. – disse o pai a rir. 

– É bom papá! – disse a criança a rir também. 

O jantar foi ótimo. Comeram tanta pizza que a pobre criança pensava que se caísse rebolaria até ao fim do mundo. 

Quando chegaram a casa, os pais escolheram um filme para terminar o serão. 

Filipe estava tão cansado que acabou por adormecer mesmo antes de o filme começar. 

Sentiu alguém o levar para a cama mas estava demasiado entorpecido pelo sono. 

No dia seguinte, completamente descansado, saiu da cama e foi ao quarto dos pais. Estava vazio. 

Desceu as escadas e foi à cozinha. O pai estava sentado a beber o seu café como fazia todas as manhãs. Porém, naquela manhã em particular ele parecia diferente, estava muito pensativo. 

– Bom dia papá! A mãe? – perguntou-lhe enquanto se sentava na cadeira em frente. 

– Temos de falar filhote. Anda sentar-te no colo do pai. 

Filipe obedeceu. 

– A mãe vai ficar uns tempos fora de casa. 

De olhos muito arregalados, o pequeno perguntou já a chorar :

– Porquê papá? Eu não quero ficar sem a mamã. 

– Tem calma filho. Já tens 6 anos, és um menino crescido não és? 

Ainda a chorar, limpou as lágrimas e respondeu :

– Sou. 

– Lembras-te do papá falar daquele vírus que estava na China? 

– Sim. 

– Esse vírus é muito mau. Deixa as pessoas doentes e a mãe vai ter de as salvar. Como o vírus é perigoso, a mãe e o pai acharam que seria melhor a mãe dormir no quarto dela em casa dos avós. 

Filipe não percebia nada daquilo, pelo que se limitou a acenar afirmativamente. 

– Mas vou poder ver a mãe, não vou? 

– Claro que vais! Só não vais poder dar beijinhos nem tocar nela. 

As lágrimas que a criança tentara dissipar voltaram mais forte do que nunca. Raúl abraçou-o e chorou também. 

Estiveram assim o que pareceu ser uma eternidade. Mais calmo, Filipe pediu para ir ver os desenhos animados. 


– Vai lá filho. O pai vai arrumar a cozinha. Ajudas-me? 

– Claro pai. Antes de ir ver os bonecos vou-te ajudar a arrumar a cozinha. 

Quando acabaram, Raúl foi atender um telefonema deixando o filho a ver os desenhos animados. 

– Olha filho, o pai vai começar a trabalhar em casa. Vou estar o dia todo contigo. Vais ter aulas em casa também. Não é bom? 

– Sim pai. Mas como é que vou ver a professora? Como é que vou aprender as letras? 

– Pelo computador. Não te preocupes, o pai trata de tudo. 

Filipe sentiu-se protegido e menos ansioso. 

Os dias foram passando e as saudades da mãe que Filipe sentia iam aumentando. Falava com ela todos os dias pelo telefone e via-a apenas no ecrã do telemóvel do pai. Passava horas contando como tinha corrido a escola pelo computador, o que ajudara o pai a fazer e quanto a amava. A mãe ficara muito feliz e chorava dizendo ter muitas saudades dele. Filipe apenas se queixava que o pai não brincava com ele depois de acabar as aulas no computador e Beatriz explicava que o pai tinha que trabalhar e que ele acabava as aulas cedo, pelo que não podia brincar com ele. 

Contudo, quando Raúl fechava o computador, ia ter com ele e, juntos, faziam uns vídeos muito giros no telemóvel numa aplicação chamada TikTok. Assim que o vídeo estava pronto, enviavam logo para a mãe. 

Ela mandava bonecos a rir e muitos corações. 

Filipe já conseguia ler muita coisa e já escrevia razoavelmente bem segundo a professora pelo que pedia sempre ao pai para ser ele a responder às mensagens da mãe. 

– Vou dizer à mãe que escolhi o filtro do macaco para a animar. 

– Já sabes escrever isso? 

– Claro pai! Não ouviste a minha professora? Já sei escrever bem. Mas preciso que me ajudes nalgumas palavras. 

Raúl ria de orgulho. O seu filho estava a ficar um homenzinho. Ainda ontem pegava nele, um recém nascido com 2 quilos e duzentos, frágil, Puro. Hoje já sabia ler e escrever, mesmo que com dificuldades.

Apesar de longe, Beatriz estava sempre perto, fazia videochamadas 2 vezes ao dia, o que atenuava as saudades de ambos. 

Um dia, Filipe viu um vídeo no Tiktok que o inspirou:

– Vou fazer isto! 

Eufórico, foi chamar o pai. 

– Papá, papá! Olha este vídeo! Podemos fazer isto e assim podemos abraçar a mamã! 

Raúl e Filipe não perderam tempo e meteram mãos à obra. Arranjaram plásticos que tinham em casa de móveis que tinham comprado, foram à despensa buscar a fita cola e fizeram uma enorme parede de plástico com braços junto à porta de entrada. 

Quando terminaram, Filipe ligou à mãe:

– Mamã! Eu e o pai temos uma surpresa para ti. Podes vir cá logo à noite? 

– Filho, a mãe não pode por causa do vírus. É para vosso bem.

– Não te preocupes mãe. Não te vamos mesmo tocar. 

– Não sei o que vocês andaram a aprontar mas eu vou aí. 

Filipe passara o tempo todo até a mãe chegar sempre inquieto, cheio de ansiedade. Mal podia esperar para a abraçar. 

Finalmente ouviu a campainha. 

– Abre! – gritou o pai! 

Filipe pôs-se em pé num banco e colocou os braços nos buracos.

Beatriz entrou em casa, de máscara, óculos e luvas. Ao início Filipe ficou apreensivo sobre aquela pessoa. Com a máscara a cobrir a cara, ficava difícil perceber quem era. Emocionada mas de coração cheio, Beatriz falou:

– É a melhor surpresa que já me fizeram!

Avançou para junto de Filipe que tinha agora a certeza de ser a sua mãe e abraçaram-se. 

Ambos choravam. Com as lágrimas a escorrer como cascatas pelos olhos e os soluços que lhes saiam pelos peitos. 

Raúl não aguentara a emoção e chorava também. 

– Vocês são os homens da minha vida. – Beatriz falava entre soluços com a voz carregada de emoção. 

– Nós gostamos muito de ti mamã. 

Depois de muito tempo, Filipe cedeu o lugar ao pai para ele poder abraçar a mãe também e matar saudades. 

Filipe observava os pais, orgulhoso por ter conseguido fazer o mesmo que fizeram no Tiktok. 

Quando o pai largou a mãe, ela despediu-se dos dois com uma certeza inabalável :

– O amor que sinto por vocês é muito maior que toda esta pandemia. O covid não nos vai separar e em breve venho para casa. Teremos de ter alguns cuidados e mudar algumas coisas na nossa rotina mas estaremos juntos. 

Feliz, Filipe estava a pensar que não se importava de deixar de brincar com os Power Rangers, de deixar de ver os bonecos e até mesmo de comer pizza só para ter a sua mãe de volta.

Quando a mãe saiu, Raúl foi buscar uma tesoura para "derrubar" aquela nova parede de plástico. 

– Não pai! – gritou-lhe o filho – A mãe ainda pode precisar dela para nos abraçar. 

– Não filho, já não vai ser preciso e sabes porquê? Porque nós vamo-nos preparar para receber a mãe. 

Ainda que não muito convencido, Filipe concordou em desmontar tudo. 

Ajudou o pai a criar uma receção à entrada de casa. A partir de agora ninguém entrava em casa com os sapatos que usavam na rua e tinham de trocar de roupa. Depois, tinham de desinfectar as mãos e deixar a máscara no caixote do lixo junto à porta e borrifar com lixívia para matar o Covid. 

No trabalho, a mãe usava duas máscaras, luvas e um fato especial de proteção anti-covid. Assim, garantia a sua segurança e a segurança da sua família. 

Três dias depois, a mãe voltou para casa e, finalmente, puderam repetir o abraço sem plásticos. 

– Tinha muitas saudades tuas mãe. És a minha heroína. 

A chorar a mãe agarrou-se ao filho:

– E tu e o teu pai são os meus heróis. 

Raúl juntou-se a eles e deram um enorme abraço com o amor a incendiar os seus corações.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma viagem atribulada

Viajar de transportes públicos é uma aventura. Contudo, nem sempre a aventura é boa. Hoje, no autocarro para casa, assisti ao cúmulo da falta de civismo. O motorista, aqueles cavalheiros que nos levam aos nossos destinos, nem sempre apresentam as qualificações necessárias para desempenharem a função a 100 por cento. Mais que saber conduzir um autocarro, é necessário saber lidar com o público e manter sempre uma atitude profissional por mais que não gostem do passageiro. Mais do que gostar é imperativo respeitar. Uma pobre senhora, claramente com problemas do foro psicológico, pediu uma informação ao motorista o qual até foi bastante educado na resposta dada. Porém, quando fechou a porta para seguir viagem, chamou a pobre senhora de chata tendo ela ouvido claramente o comentário desnecessário e insultuoso. Fiquei completamente de boca aberta (fiquei de tal modo chocado que até a pastilha que vinha a mastigar ia-me caindo da boca). Daquilo que percebi, já não era a primeira vez que a

A primeira vez

Escrever um livro não é, de facto, uma tarefa fácil. Requer alguns cuidados com a construção frásica, a pontuação, as palavras usadas, o tom... Enfim, uma panóplia de questões importantes para um resultado final perfeito. Neste contexto, o autor Pedro Vidal de 25 anos consegue levar a cabo esta missão com distinção na sua obra de estreia - a primeira vez. A história decorre na cidade de Évora onde a personagem principal, o jovem Inspetor Jorge, ambicioso e no início da sua carreira, investiga o brutal homicídio de Carlos Monteiro, um homem da Noite, sociável e obscuro. Quando descobre que o morto era homossexual, Jorge vai ter de lidar com os seus preconceitos se quiser resolver o caso quando inicia uma viagem por um mundo que desconhecia e sobre o qual tinha as piores impressões. Esta viagem irá mudar drasticamente a sua vida e fazê-lo contrariar tudo o que aprendera. Conseguirá ele descobrir o assassino e retomar a sua vida normal depois disso? Este é um livro com uma t

A escravatura moderna

Trabalhar na área das limpezas tem muito que se lhe diga. Horários, condições, trabalho... Enfim, uma série de coisas que a grande parte das pessoas desconhece. Porém, vou tentar explicar como funciona este incrível submundo de escravatura. Em primeiro lugar, tenho de vos falar dos horários (claro que existem sempre exceções) onde a grande maioria das pessoas acorda com o doce som do despertador entre as 4 e as 5 da manhã para, às seis da manhã em ponto, darem início às tarefas de limpeza (tem de ser precisamente às 6 pois é necessário picar o melhor amigo de qualquer trabalhador - o cartão de picagem) Em segundo lugar, o local de trabalho. Escritórios, armazéns, supermercados, lojas... Com espaços de dimensões variadas onde, regra geral, o número de pessoas contratadas é sempre inferior ao necessário para efetuar o serviço de acordo com os padrões mínimos de exigência. De seguida, os clientes. Aquelas maravilhosas pessoas que adoram dificultar a vida, que deixam prepositamente

A solidão na diferença

A escrita, e posterior divulgação dos meus textos, servem (ou pelo menos gostava que servissem) para semear na mente dos leitores a árvore da consciência para temas que, muitas vezes, passam despercebidos. O comportamento das pessoas em sociedade, o egoísmo dos condutores, o cinismo no natal são apenas alguns pontos que todos nós sabemos serem reais mas que ninguém fala. Hoje falo-vos sobre a diferença. Não me refiro, somente, à diferença de género ou de orientação sexual, religiosa, cultural ou até de pensamento. Falo em diferença pessoal, diferença social e comportamental. O que me levou a escrever este texto foi um homem que veio no mesmo autocarro que eu. Com uma idade, aparentemente, compreendida entre os 28 e os 31 anos, este homem apresentava claras diferenças. Não me refiro a elas num mau sentido. Não! Mas num sentido único. Num sentido individual. Tinha um ar triste, falta de autoestima ( reparei na falta de capacidade em manter contacto visual) gestos e expressões que, pa

Cristóvão e Tito

Era uma vez... Não, este conto não irá começar da forma habitual. Prefiro inovar um pouco. Cristóvão é um monstro que vive numa gruta bem no centro da floresta mágica. Um sítio belo, cheio de cores vibrantes habitado pelas mais diferentes formas de vida. Fadas, bruxas (não, não são bruxas más e feias com uma verruga no nariz. Estas são bruxas luz, seres puros que mantêm o equilíbrio na natureza), anões, unicórnios, coelhos falantes e gigantes. Como seria de esperar, Cristóvão era o único ser da floresta de que ninguém gostava. Tinha mau feitio e metia medo, muito medo às restantes criaturas. Era enorme, maior que os gigantes, era feio, muito feio e muito resmungão. As fadas, no entanto, tentavam-se aproximar dele, mas sempre sem sucesso. Levavam flores, deixavam fruta fresca, legumes, presentes. Até enfeitavam a entrada da gruta com purpurinas mágicas. As bruxas também tentaram a sua sorte deixando cestos cheios de gluseimas coloridas.  Mas ele odiava e acabava sempre por afugentar as

Mudanças

Mudanças O tempo passa sem darmos conta. Conta os dias, conta as horas. Horas essas que passam sem vermos a mudança a acontecer. Medo do silêncio, medo do desconhecido A mudança chega sem aviso Muda o nosso mundo E nos trás um novo rumo. Tristeza por mudar não! Mas deceção por mudar sem saber Qual o motivo, qual a razão Para toda esta situação.  Escrevo e penso sem realmente perceber Emoções ao rubro, coração que não sossega A alma que não se quer acalmar Luz que teima em não entrar. Mudar é sempre bom, dizem Mas para mim não é bem assim. Fico preso no tempo. Fico preso no eterno saber. Sentimentos que acalmam a essência dorida Forças da natureza que com o vento criam uma bela rima Poesia surge para ajudar A expressar os fantasmas da vida.