Avançar para o conteúdo principal

Dias

 Eu criei este blogue para partilhar os meus pensamentos, as minhas ideias, as minhas opiniões. Criei-o para me exprimir através da escrita. Vejam-no como o meu mundo virtual. Um mundo que tenho, através dos meus textos, que seja o melhor possível. 

O meu objectivo é apenas ajudar, através das minhas experiências quem me dá o seu tempo ao ler o que escrevo. Acreditem que agradeço cada pessoa, de todas as partes do mundo, que lê o que escrevo. De coração.

Aqui não há julgamentos, bullying ou ódio. Aqui, eu, vocês, podemos ser nós. Pessoas, humanos com sentimentos.

Não tenham medo de usar a caixa dos comentários. Usem e abusem dela! Façam perguntas ou dêem sugestões. Eu agradeço, a sério!

Este meu espaço, que acaba por ser o nosso espaço, serve para crescermos e partilharmos experiências.

Nesse sentido, vou partilhar algo que me tem chateado sobremaneira.

Hoje é o meu primeiro dia de férias e nada melhor do que começar as férias a levar a vacina do Covid. Correu tudo super bem, não havia muita gente e foi mega rápido.

Em materia de sintomas, bem, posso dizer que o braço não está muito bem e tenho imenso sono. Mas, até ver, é apenas isso. 

Na minha zona, existe um café mesmo em frente à minha casa (- - '). Até podia ser uma coisa boa se não fosse aquele típico espaço onde o covid não passa de uma grande piada. 

Ora existe um cliente habitual que vem às 7 horas da manhã e fica lá até às 20 horas da noite sempre a beber cervejas. Até aqui tudo bem certo? O problema, e é o que me chateia, é o facto de o senhor cliente de sonho não respeitar as pessoas. Imagem o que é estar a ouvir um homem, adulto, alcoolizado a uivar, a usar linguagem explícita agrícola como alhos e cebolas (eu sei, foi uma péssima tentativa de piada ( =D)) e a uivar. Sim, a uivar. Conseguem imaginar estas horas todas a ouvir uma coisa assim? É de deixar qualquer um louco não é? 

Posso-vos dizer que isto já dura há imenso(...) tempo. 

Pois bem, farto de tanto barulho, decidi fazer uma queixa à junta de freguesia e à câmara municipal que apenas reencaminharam o email que lhes mandem para a PSP que, claro está, nada fez. 

Hoje, como o barulho era tanto e com os efeitos da vacina, liguei à PSP. 

Sabem o que me disseram? Que nada podiam fazer. Perguntei se não podiam ter uma conversa com o senhor para, enfim, incutir algum civismo até porque ele vai conduzir alcoolizado. Em suma, disseram que não ia dar em nada e que não valia a pena. 

Desliguei a chamada chocado, claro, e a primeira coisa que me passou pela cabeça foi: "por isso é que ninguém respeita a autoridade". 

Sabem, é devido a comentários destes que o mundo é o sítio que é hoje em dia. Um lugar onde o respeito morre todos os dias, onde o civismo é uma lenda e a educação um mito. 

Confesso que acabei este dia com uma enorme dor de cabeça mas decidi vir deixar este post. 

Precisava mesmo de libertar esta tensão e este energia toda e, para quem gosta, nada melhor do que a escrita para isso. 

Enfim, posso não ser perfeito e não o tenciono ser, mas os meus pais educaram-me a ser, todos os dias, a melhor versão de mim mesmo e a respeitar quem me respeita e a ser educado com toda as pessoas mesmo que não mereçam porque a educação fica para quem a tem e, a herança mais valiosa que o meu querido pai me deixou foi, sem dúvida alguma, a educação. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma grande mudança

Filipe é uma criança de 6 anos como qualquer outra. Vive em Lisboa num apartamento com os seus pais e o chiquinho, o gato preto. Gosta de jogar computador, passear com os seus pais e ir ao parque. Ama comer gomas e a sua comida preferida é a pizza de queijo. E, tal como a grande maioria das crianças, detesta ir à escola.  – Bom dia mãe! Bom dia pai!  – Bom dia filhote! – A mãe deu-lhe um beijo na testa e continuou a preparar o pequeno almoço.  Beatriz é enfermeira, mãe, esposa, mulher, voluntária numa associação de apoio às vítimas de violência doméstica, ativista dos direitos da mulher e apaixonada por culinária.  Aos olhos de Filipe, era a Mulher Maravilha. Poderosa, determinada, inteligente e protetora. Para ele, era a mulher da sua vida.  – Olá Filipe, dormiste bem? – o pai passou a mão pelo seu cabelo deixando-o meio despenteado.  – Sim pai, dormi muito bem.  Raúl é engenheiro informático, pai, marido e adora bricolage. É especialista em inventar estórias de embalar e o que mais g

Uma viagem atribulada

Viajar de transportes públicos é uma aventura. Contudo, nem sempre a aventura é boa. Hoje, no autocarro para casa, assisti ao cúmulo da falta de civismo. O motorista, aqueles cavalheiros que nos levam aos nossos destinos, nem sempre apresentam as qualificações necessárias para desempenharem a função a 100 por cento. Mais que saber conduzir um autocarro, é necessário saber lidar com o público e manter sempre uma atitude profissional por mais que não gostem do passageiro. Mais do que gostar é imperativo respeitar. Uma pobre senhora, claramente com problemas do foro psicológico, pediu uma informação ao motorista o qual até foi bastante educado na resposta dada. Porém, quando fechou a porta para seguir viagem, chamou a pobre senhora de chata tendo ela ouvido claramente o comentário desnecessário e insultuoso. Fiquei completamente de boca aberta (fiquei de tal modo chocado que até a pastilha que vinha a mastigar ia-me caindo da boca). Daquilo que percebi, já não era a primeira vez que a

A primeira vez

Escrever um livro não é, de facto, uma tarefa fácil. Requer alguns cuidados com a construção frásica, a pontuação, as palavras usadas, o tom... Enfim, uma panóplia de questões importantes para um resultado final perfeito. Neste contexto, o autor Pedro Vidal de 25 anos consegue levar a cabo esta missão com distinção na sua obra de estreia - a primeira vez. A história decorre na cidade de Évora onde a personagem principal, o jovem Inspetor Jorge, ambicioso e no início da sua carreira, investiga o brutal homicídio de Carlos Monteiro, um homem da Noite, sociável e obscuro. Quando descobre que o morto era homossexual, Jorge vai ter de lidar com os seus preconceitos se quiser resolver o caso quando inicia uma viagem por um mundo que desconhecia e sobre o qual tinha as piores impressões. Esta viagem irá mudar drasticamente a sua vida e fazê-lo contrariar tudo o que aprendera. Conseguirá ele descobrir o assassino e retomar a sua vida normal depois disso? Este é um livro com uma t

A escravatura moderna

Trabalhar na área das limpezas tem muito que se lhe diga. Horários, condições, trabalho... Enfim, uma série de coisas que a grande parte das pessoas desconhece. Porém, vou tentar explicar como funciona este incrível submundo de escravatura. Em primeiro lugar, tenho de vos falar dos horários (claro que existem sempre exceções) onde a grande maioria das pessoas acorda com o doce som do despertador entre as 4 e as 5 da manhã para, às seis da manhã em ponto, darem início às tarefas de limpeza (tem de ser precisamente às 6 pois é necessário picar o melhor amigo de qualquer trabalhador - o cartão de picagem) Em segundo lugar, o local de trabalho. Escritórios, armazéns, supermercados, lojas... Com espaços de dimensões variadas onde, regra geral, o número de pessoas contratadas é sempre inferior ao necessário para efetuar o serviço de acordo com os padrões mínimos de exigência. De seguida, os clientes. Aquelas maravilhosas pessoas que adoram dificultar a vida, que deixam prepositamente

A solidão na diferença

A escrita, e posterior divulgação dos meus textos, servem (ou pelo menos gostava que servissem) para semear na mente dos leitores a árvore da consciência para temas que, muitas vezes, passam despercebidos. O comportamento das pessoas em sociedade, o egoísmo dos condutores, o cinismo no natal são apenas alguns pontos que todos nós sabemos serem reais mas que ninguém fala. Hoje falo-vos sobre a diferença. Não me refiro, somente, à diferença de género ou de orientação sexual, religiosa, cultural ou até de pensamento. Falo em diferença pessoal, diferença social e comportamental. O que me levou a escrever este texto foi um homem que veio no mesmo autocarro que eu. Com uma idade, aparentemente, compreendida entre os 28 e os 31 anos, este homem apresentava claras diferenças. Não me refiro a elas num mau sentido. Não! Mas num sentido único. Num sentido individual. Tinha um ar triste, falta de autoestima ( reparei na falta de capacidade em manter contacto visual) gestos e expressões que, pa

Cristóvão e Tito

Era uma vez... Não, este conto não irá começar da forma habitual. Prefiro inovar um pouco. Cristóvão é um monstro que vive numa gruta bem no centro da floresta mágica. Um sítio belo, cheio de cores vibrantes habitado pelas mais diferentes formas de vida. Fadas, bruxas (não, não são bruxas más e feias com uma verruga no nariz. Estas são bruxas luz, seres puros que mantêm o equilíbrio na natureza), anões, unicórnios, coelhos falantes e gigantes. Como seria de esperar, Cristóvão era o único ser da floresta de que ninguém gostava. Tinha mau feitio e metia medo, muito medo às restantes criaturas. Era enorme, maior que os gigantes, era feio, muito feio e muito resmungão. As fadas, no entanto, tentavam-se aproximar dele, mas sempre sem sucesso. Levavam flores, deixavam fruta fresca, legumes, presentes. Até enfeitavam a entrada da gruta com purpurinas mágicas. As bruxas também tentaram a sua sorte deixando cestos cheios de gluseimas coloridas.  Mas ele odiava e acabava sempre por afugentar as

Mudanças

Mudanças O tempo passa sem darmos conta. Conta os dias, conta as horas. Horas essas que passam sem vermos a mudança a acontecer. Medo do silêncio, medo do desconhecido A mudança chega sem aviso Muda o nosso mundo E nos trás um novo rumo. Tristeza por mudar não! Mas deceção por mudar sem saber Qual o motivo, qual a razão Para toda esta situação.  Escrevo e penso sem realmente perceber Emoções ao rubro, coração que não sossega A alma que não se quer acalmar Luz que teima em não entrar. Mudar é sempre bom, dizem Mas para mim não é bem assim. Fico preso no tempo. Fico preso no eterno saber. Sentimentos que acalmam a essência dorida Forças da natureza que com o vento criam uma bela rima Poesia surge para ajudar A expressar os fantasmas da vida.